The Priory of the Orange Tree – Samantha Shannon ?>

The Priory of the Orange Tree – Samantha Shannon

O reino de Inys é governado pela Casa Berethnet há 1000 anos. A rainha da vez, Sabran Nona, precisa dar à luz a uma filha para continuar o reinado e garantir a sobrevivência do mundo, de acordo com a antiga lenda. Mas Sabran precisa escolher logo um marido – pois assassinos estão preparados para acabar com a Casa Berethnet.

Ead Duryan não só é uma forasteira à corte, mas também uma espiã. A mando do Priorado da Laranjeira, Ead ascende nos rankings das empregadas da rainha Sabran até chegar à posição de dama de companhia da rainha. A missão da maga é a de proteger Sabran Nona, mesmo que isso signifique usar a magia que reside dentro dela, proibida pelos reinos.

Do outro lado do mar, Tané treina para se tornar uma cavaleira de dragão – uma grande honra em Seiiki e em todo o Leste. Em um dia terrível, ela se vê forçada a fazer uma escolha que é abertamente contra as regras de Seiiki e que pode significar o fim de tudo pelo que ela lutou e treinou a sua vida inteira.

Leste e Oeste, que há tanto se odeiam e têm diversas políticas um contra o outro, podem ser obrigados a trabalhar juntos conforme forças do mal milenares se agitam em seus sonos e inimigos em comum se levantam.


The Priory of the Orange Tree [O Priorado da Laranjeira, em tradução livre] ainda não tem tradução para o português, o que é, sinceramente, uma catástrofe. O livro é um tijolo, com 830 páginas, e o preço atualmente está salgado, por causa do dólar.

Não vou mentir, o que me atraiu para o livro, em um primeiro momento, foi a capa. Julgo livro pela capa sim. É importante para mim que o livro tenha uma capa bonitinha, porque isso me indica um cuidado da editora para/com o livro. A jacket (a capa “falsa” que tem nos livros capa dura de fora) é super linda com esses fortes tons amarelos e laranjas, o que não segue para a capa dura de fato, que tem um triste tom azul e outro tom triste de vermelho. O livro tem um mapa, o que é muito útil para mundos de fantasia. Eu o utilizei bastante, e tenho que dar graças a Deus que comprei o livro físico, porque é horrível ter que voltar o ebook para achar um mapa que talvez não esteja nem bom de visualizar.

Samantha Shannon não é inexperiente na escrita – ela escreveu a série bestseller Temporada dos Ossos, que lançou o primeiro livro em 2013. E realmente, a escrita dela é muito boa. Eu demorei um pouco para terminar o livro, porque leio mais devagar em inglês, mas chegou um ponto em que aconteceu tanta coisa que a leitura engatou.

Eu gostei muito das personagens de The Priory of the Orange Tree. Por ser um livro longo, a autora teve bastante tempo para desenvolvê-los, e conseguimos acompanhar a evolução deles. Não tive grandes problemas com a maioria deles, mas Sabran e Ead, às vezes, me entediaram. Tané e os outros do Leste, por outro lado, são extremamente interessantes e eu ficava louca esperando um capítulo deles.

The Priory of the Orange Tree é um livro para quem busca fantasia, romance LGBTQI+, e personagens femininas fortes. O mundo, em si, é particularmente feminista: o reinado de Inys é comandado pela linhagem feminina, e o Priorado também. Eu tenho que admitir que achei um pouco estranho essa questão do reinado matrilinear em uma Europa medieval, ainda que, na verdade, a rainha esteja à mercê de uma corte quase inteiramente masculina. Outros aspectos do livro foram muito mais feministas do que o reinado de Inys. A história demora um pouco para se desenrolar porque o livro é grande, mas vale a pena. Sinceramente, os capítulos do Leste são muito mais interessantes do que os do Oeste, simplesmente porque o Oeste é a nossa típica Europa medieval. Ainda assim, temos magia, dragões (malvados e bonzinhos), e politicagem de corte.

Se você gostou de The Priory of the Orange Tree, de Samantha Shannon, você vai gostar de:

Trono de Vidro – Sarah J. Maas;

Ordem Vermelha: Filhos da Degradação – Felipe Castilho;

The astonishing color of after – E. X. Pan.

0 Comentários

Deixe um comentário!