Os Lusíadas – Luís de Camões ?>

Os Lusíadas – Luís de Camões

Os Lusíadas receberam uma missão de seu rei: ir para a Índia e espalhar a grandeza portuguesa por lá. O problema é que nenhum europeu se aventurou naquelas bandas. Os navegantes portugueses terão que contornar o Cabo das Tormentas para chegarem a um país desconhecido, que pode muito bem ser hostil. As cidades nas quais eles precisam parar para reabastecer na costa da África, então? Nem se fala.

Eles ainda têm um deus em seu encalço, Baco. Vênus tenta protegê-los, mas cada deus tem seus próprios aliados, o que pode dificultar as coisas tanto para os deuses quanto para os lusíadas, que só querem glória e poder – nada diferente do que os grandes heróis épicos.


Uma palavra define esse livro: CHAAAAAAAAAATO. Muito chato. Inferno no formato de um livro. Sério. Achei esse livro chato pra caramba. Já é o segundo épico que eu leio e eu já quero jogar todos esses épicos pela janela. É muito mais difícil de entender que o Odisseia e os personagens são extremamente sem-sal. Não dá pra gostar de nenhum deles, porque eles não têm lá uma grande identidade. E não dá pra odiar ninguém também. Você sente pena do vilão e é indiferente aos mocinhos, diferentemente de Odisseia, que você odeia o mocinho e torce pros vilões, que são muito mais legais que ele.

Eu achei o formato de poema dele melhor de ler que o de Odisseia, porque Os Lusíadas é dividido em estrofes. o Odisseia não.

Mesmo com a quantidade absurda de notas dessa minha edição velha pra caramba (além de tudo, não é fácil de encontrar uma edição decente com notas e em forma de poema), o livro continua sendo meio confuso, principalmente no final. Tem uns cantos (capítulos) que são só de descrição. Tipo, 105 páginas de descrição da Europa, dos povos dela e contando TODA a história de Portugal.

Se você gostar disso, leia. Mas eu não recomendo (a não ser que você seja obrigado, tipo, por ameaça, ou se precisar pra escola, o que foi o meu caso).

2 Comentários

Deixe um comentário!