Ordem Vermelha: Filhos da Degradação – Felipe Castilho ?>

Ordem Vermelha: Filhos da Degradação – Felipe Castilho

Untherak é a última região habitada do mundo. A deusa Una governa com punhos de ferro o único lar de humanos, anões, gigantes, kaorshs, sinfos e gnolls. As raças convivem em relativa paz depois de anos de violência, e preenchem as suas vidas com adoração e trabalho à Una.

Um dia, a kaorsh Yanisha descobre um segredo capaz de abalar todas as bases sobre as quais Untherak foi construída. Com a ajuda de sua esposa, Raazi, ela pretende expor tudo no dia do Festival da Morte, quando pessoas normais arriscam suas vidas lutando umas com as outras – e com criaturas horrendas, materiais de pesadelos – por glória. Uma empreitada arriscada, considerando que a própria Deusa estará lá.

No dia do Festival, Aelian testemunha atos horríveis, que o lembram de quando seu próprio pai perdeu a vida lutando, anos antes. A morte dele obrigou o filho a servir como falcoeiro em uma quase escravatura eterna. Durante o torneio, Aelian presencia acontecimentos que mudarão a sua vida e que lhe mostrarão o seu lugar no novo mundo.

No fim das contas, eles precisam escolher: continuar com a mentira, ou destruir seu mundo com a verdade.


Ordem Vermelha ficou em 3º lugar no meu top10 de 2019, e o livro não decepciona. Uma das poucas fantasias medievais nacionais que li, o livro fala sobre assuntos pertinentes nos dias de hoje, como a necessidade masculina de dar pitaco no corpo das mulheres. Ele foi lançado em uma parceria da CCXP com a Intrínseca, e o cenário é digno de uma campanha de Dungeons & Dragons.

Primeiro: a capa e a diagramação são de arrasar. A ilustração da capa é linda de morrer, e tem bem o ar sinistro e desesperador que permeia o livro. Um grande charme do interior do livro são as páginas pretas que indicam um capítulo do “futuro” do livro, que entendemos bem quando chegamos no final. Um charme que só aumenta toda a tensão com a história. E ainda vem com um mapa! Alguém faz uma campanha de D&D com esse livro e me chama pra jogar, por favor!!!

A escrita do Felipe Castilho é ótima! Em alguns momentos, bem formal, condizente com a história, e outras, mais leve, principalmente nos diálogos. É muito interessante como ele adapta a escrita para ser condizente com cada personagem. Com personagens mais sérios, é mais formal, e com outros, menos. Uma salva de palmas para a técnica desse homem!

Já entrando na linha dos personagens, eu amei cada um deles. Obviamente, eu amo as kaorshs ainda mais. Todos eles são incríveis, bem construídos, fiéis aos seus passados. Novamente, as kaorshs são superiores, porque além de serem um ótimo ícone LGBTQ+ (o autor consegue que o relacionamento delas não seja a única coisa que importa na construção delas, e isso eu adoro – a personagem LGBTQ+ é mais do que a sua sexualidade), mas também são super girl power.

Sobre a história, novamente, é digna de uma campanha de D&D. O mundo é muito bem construído e ilustrado. Simples, mas é a técnica de criar um mundo tão bonito sem precisar de muito é umas das coisas que faz Ordem Vermelha tão especial.

Se você gostou de Ordem Vermelha, de Felipe Castilho, você vai gostar de:

Um tom mais escuro de magia, de V. E. Schwab;

Heróis de Novigrath, de Roberta Spindler;

Três viajantes, de Thiago Tizzot.

0 Comentários

Deixe um comentário!