Morte de Personagens – Como Lidar? ?>

Morte de Personagens – Como Lidar?

ALERTA: ESTE POST CONTÉM REFERÊNCIAS À MORTE DE PERSONAGENS EM BATMAN VS SUPERHOMEM E PERCY JACKSON. SE VOCÊ AINDA NÃO LEU NEM VIU O FILME, NÃO RECOMENDO. SE VOCÊ NÃO SE IMPORTA E SE ARREPENDER DEPOIS, NÃO VENHA RECLAMAR COMIGO, PORQUE EU AVISEI.

TRADUÇÃO DA IMAGEM

*Lê a última linha novamente*
*Fecha o livro*
*Suspira bem fundo*
*Grita*
*Joga o livro pela janela*
*Pula a janela atrás do livro*
*Se contorce em dor enquanto abraça o livro*
*Chora e embala o livro*
*O coloca na prateleira*
*Liga pro amigo*
“Você precisa ler esse livro”

 

Vamos começar com as 5 fases do luto.

1- Negação.

Negamos que aquele personagem realmente morreu.

“Deve ter sido uma farsa, ele não morreu realmente. É mentira, ele tá vivo em uma ilha, rindo da cara de todo mundo!” (Isso foi muito Percy Jackson).

Choque de realidade: ele morreu. Viram o corpo dele. Ele foi enterrado e não é o Super-Homem. Ele não vai mais voltar.

2- Raiva.

Aquele ódio que a gente sente do autor quando ele mata nosso personagem favorito. Aí não tem jeito mesmo. Eu tuitei para o Raphael Draccon reclamando do final de Mundos de Dragões. Eu quase morri quando ele me respondeu, mas isso é outra história.

Acredite, você esquece a morte quando o autor te responde no Twitter.

3- Negociação.

Não sei com quem você vai negociar a volta do personagem. Ele morreu, pronto, acabou. O autor não vai escutar as suas preces. A história é dele, se ele quiser ele mata todo mundo e ainda ovacionam a obra (referências a DNA – não, não é um livro. Não conto mais nada, senão estrago tudo).

4- Depressão.

Quando cai a ficha. O personagem realmente não vai mais voltar. Aí você não pode pensar no livro que já treme o lábio. Podemos chamar também de ressaca literária.

5- Aceitação.

Você segue em frente. A morte do personagem se torna apenas um fantasma, uma lembrança de bons tempos.

 

Não, não tem remédio exato para superar. Alguns revivem a dor e a sofrem de tempos em tempos. Alguns leem mais livros do que dão conta, assim aquele personagem se torna mais um entre centenas. Outros podem se encher de tarefas, sempre tendo algo no que pensar. Alguns apenas têm a capacidade de parar de pensar.

Eu os invejo.

12 Comentários

  1. sou dessas que lê o livro mais trezentas vezes só para que o personagem não morra na memória.

    Acho que estou passando por um estágio eterno de negação…

  2. Acabo de ler O herdeiro do Jedi, um livro agradável mas que deixou um buraco enorme no meu peito no final com uma morte que eu não esperava. Estou sofrendo muito e vim atrás de formas de lidar com essa dor rsrsrs. Dramas a parte recomendo muito esse livro para interessados no universo Star Wars e desejo que não sofram tanto quanto eu pq foi um baita choque emocional.
    Ps: ainda estou tremendo pelo acontecimento, ainda passo pela fase da negação.

  3. Li minha primeira série de livros que foi DIVERGENTE, não havia ouvido nenhum espoiler, e então me apeguei a história e aquilo foi me envolvendo, criando um laço com aquele livro com os personagens, até que no último livro, que foi CONVERGENTE, a personagem principal, que sobreviveu a tudo que se pode imaginar, e ela morreu com um tiro, aquilo me abalou de tal maneira, que por mais que já tenha passado meses, é como se eu tivesse perdido alguém de verdade e essa dor me atormenta sempre que lembro e parece que agora sou vazia, falta algo.
    Ps: Eu tenho muita raiva da autora, eu nunca imaginei que TRIS fosse morrer.

    • Por incrível que pareça, foi isso que me fez gostar de Divergente. Adoro quando o autor sai do “felizes para sempre” e mata um principal. Realmente, foi um choque, mas eu nunca fui muito apegada à história, e só achei que deixou tudo mais divertido!

  4. Na verdade eu tô aqui mais especificamente por causa de um mangá/anime… Não tô conseguindo lidar. Já vi vários personagens que amava de coração (livro/série/etc) morrerem, mas o tamanho do luto que eu estou sentindo agora nunca tinha me acontecido ;-;. É normal chorar por um personagem fictício a uma semana? Acho que nunca vou superar… Às vezes eu paro efico olhando pro teto e penso no meu filho. Ele teve uma vida tão cruel, e quando parece que a autora vai me dar um final feliz ela vai e mata ele ;-;. E o pior é que a história já terminou há quase trinta anos, então sem chance de ela resolver reviver meu filho (e ainda teve uma espécie de “epílogo” pra comprovar que ele tá morto). Então fui obrigada a parar na fase da raiva, do luto e depressão profundo pelo meu finado Ash ;-;.

    • Olha, posso te dizer com certeza que só de lembrar de algumas séries de livro que li, me dá uma dor no coração de pensar nos personagens que morreram. Ainda assim, eu fico pensando em todas as partes boas da vida dele e como que os outros personagens lidaram com a morte dele no final.

  5. Eu mesma! Meu personagem foi praticamente torturado emocionalmente antes de morrer, e eu era muito apegada a ele por diferentes motivos, difícil definir o luto.

    • Essas cenas de tortura DESTROEM o meu coração. Eu nem sei o que é pior, ver o personagem morrer ou ver ele sobreviver a isso e lidar com todas as consequências psicológicas que vêm com isso.

  6. Eu li “Point Of Contact” da Melanie Hansen, o filho do protagonista morre, eu nunca tinha lido um livro que contou desde do nascimento do personagem até ele ficar mais velho, no caso até aos 19, ele vai para a guerra (para ser o orgulho do pai, mesmo que o pai dele tem medo e não quer que ele vá) no Vale do Konrengal no Afeganistão, e dois meses antes da morte dele, ele e um amigo tem uma “férias” de suas semanas, só que ele não quer atrapalhar os planos do pai que saiu em férias, porém dois meses depois ele morre de um jeito marcante, ele é um personagem que não é o principal porém me conquistou, e depois conta como o pai, que a última vez que o viu foi quando ele embarcou para ir para guerra, e o amigo superam a morte dele, ele morreu faltando 2 meses para sair do exército, o pai dele está na cozinha pensando em que tipo de festa vai fazer para ele quando ele chegar quando os oficias toca a campainha, depois disso o pai dele fica com trauma da campainha….. Gente esse livro é lindo, o vale do Korengal é conhecido como vale da morte, em 2010 as forças armadas americanas saíram dela, depois do livro eu fiquei procurando sobre. O livro é de romance e não é baseado na vida real, mais eu me apeguei e tentei superar a morte do filho lendo a superação do pai e do amigo!

    • Eu gosto desses fechamentos quando vemos outros personagens lidando com a morte do nosso queridinho. Me deixa um pouco mais feliz e encerra a história muito bem. Pelo jeito, essa leitura foi boa!

  7. Vi o filme ESCOLA:OS PIORES ANOS DA MINHA VIDA, quando eu descobri que o LEO era o irmão que morreu….cara….Eu só espero que ele esteja feliz no tal planeta sei lá das quantas

Deixe um comentário!